Falta de insumos para a bomba


Depois de toda a novela pra receber o sensor MMT 7008, eu achei que não teria mais problemas para receber os insumos da bomba mensalmente. Mais uma vez, me enganei =’(

No início do mês passado (janeiro), quando fui até a Secretaria de Saúde na data marcada para receber todos os insumos, eis que o atendente me informa: “O conjunto de infusão está em falta”.

Eu pensei: “Meu Deus! Esse é o cateter. E agora?

Argumentei, implorei, chorei, me desesperei, e nada. Pedi para falar com a farmacêutica, liguei na ouvidoria, e nada ainda. Mandei e-mail pra minha advogada, para a advogada do Estado, para a supervisora do atendimento geral da Secretaria de Saúde, e nada!

Como eu só tinha mais 2 unidades do conjunto de infusão quando recebi essa péssima notícia, eu não tive outra escolha a não ser comprar uma caixa do bendito cateter. E tinha que ser pra ontem, porque o produto vem de São Paulo e demora cerca de 5 dias úteis para chegar aqui em Contagem/MG. E eu só tinha mais duas trocas para fazer, ou seja, mais 6 dias.

Liguei no 0800 da Medtronic para fazer o pedido, passei meus dados e no momento da conclusão da compra a atendente me informa: “Infelizmente não temos o modelo MMT 399”. Minha reação: DESESPERO²

Na conversa que segui com a atendente ao telefone, ela me contou que não havia em estoque o modelo MMT 399, mas havia o modelo MMT 397, a diferença era apenas o tamanho da cânula:
  • MMT 399 = 6 mm
  • MMT 397 = 9 mm

Alívio imediato. O preço, é claro, é bem salgado: R$ 487,50. Mas eu não tinha outra escolha.

No dia 27 de janeiro, chegou um novo carregamento de medicamentos para a Secretaria de Saúde, e todos responderam meus e-mails informando que eu já poderia buscar o insumo que faltou, pois ele havia chegado. Antes tarde do que nunca.

No dia 10 de fevereiro, foi o dia marcado para, novamente, pegar todos os insumos. E vocês acham que eles me deram todos os insumos? CLARO QUE NÃÃÃÃOOO!

Faltou o básico, do básico, do básico: a insulina. E como se não bastasse, faltou também o sensor enlite MMT 7008. E qual é o precinho do enlite sensor? Apenas R$ 1.254,00. E eu achando que a novela desse sensor já tinha acabado ¬¬’

Assim não dá ne?!

Eu, na matéria da revista Vida Saudável & Diabetes


Há alguns meses, uma pessoa que integra a equipe de redação da revista Vida Saudável & Diabetes entrou em contato comigo, contando que a revista possui uma seção chamada “Minha Vida”, que conta histórias de pessoas que tem relacionamento direto ou indireto com o diabetes.

Contou também que tinha lido no meu blog que eu havia feito uma Eurotrip recentemente (e se você também quiser ler, é só clicar aqui), e que na edição de dezembro e janeiro gostaria de fazer uma matéria para as férias, e perguntou se eu poderia contar sobre a minha viagem: como foi viajar e controlar o diabetes.


Claro que aceitei o convite com muito orgulho. Fiquei felicíssima ao receber em casa um exemplar e ver minha história contada nas páginas da revista.



Rolou até um post na página do Facebook da revista \o/


A troca do sensor


Dezembro, mês de festas, de trabalho dobrado no final do ano, de uns dias de folga. É um mês agitado. Por isso (e por outros motivos também), decidi que depois que tirei o sensor, faria a primeira troca somente em janeiro.

Sobre a minha experiência e convivência com o sensor:

Nada, nada fácil. Os alarmes emitidos pelo sensor me irritaram muito. Durante o meu dia no trabalho, o alarme disparava toda hora, e eu não sabia direito como lidar com ele. Ficava desesperada e a frase que eu mais dizia com frequência era: “Ai, esse barulho me irrita!”. Rolou até uma “charge” que o pessoal do trabalho fez no quadro de avisos:


Enfim, quando fui fazer a primeira troca, já tinha passado muito tempo desde que a enfermeira me instruiu. Eu simplesmente esqueci o passo-a-passo que eu deveria seguir. Então eu abri o site do YouTube e vi que lá existem vários vídeos ensinando como instalar o sensor. Tem vídeos tanto da própria Medtronic, quanto de pessoas que utilizam o sensor, por isso foi mais fácil fazer a troca.

Coloquei no abdômen e fiquei com ele por seis dias.



Na hora de tirar, foi beeem doloroso. O local ficou vermelho e dolorido. Custei a tirar da pele a cola do adesivo =(



Vamos para a segunda troca?

Decidi que iria colocar no braço dessa vez. Às vezes eu tenho a impressão de que estão faltando lugares pra fazer o rodízio, tanto da bomba quanto do sensor. Como eu não coloco a bomba no braço, por causa da falta de praticidade do fio do cateter, pensei que poderia ser um local de opção para colocar o sensor, já que ele não tem fio.


Algumas observações a respeito:
  1. Ele não é discreto. Fica aparecendo muito e marcando sob as blusas de manga.
  2. Precisei de outra pessoa para me ajudar a colocar. Sozinha não consegui.
  3. Toda vez que eu trocava de roupa, eu esquecia que o sensor estava no braço, e a roupa agarrava no minilink. Por causa disso, no terceiro dia o adesivo do minilink estava soltando.
  4. Precisei colocar um adesivo a mais, para segurar o minilink. Prevejo dificuldade para tirar os adesivos no dia da troca.
  5. Muita gente pergunta: "O que é isso?"


Receber via email

Digite seu endereço de email:

Delivered by FeedBurner

Voltar ao topo