Sobre preconceito e tattoos

Esse ano eu deixei todos os meus receios para trás e fiz 2 tatuagens! Isso mesmo, com quase 30 anos, eu fiz uma tatuagem no antebraço (no mês de março) e outra no tornozelo (em junho).

A tatuagem que tenho no antebraço é mais visível, e é super ligada ao fato de eu ser diabética. Por ser mais visível, muitas pessoas me perguntam o que significa (pois ela é uma palavra escrita em inglês: Sweet).

O fato curioso é que mais de uma pessoa já tentou me repreender por ser diabética e ter uma tatuagem. Hein?! Pois é minha gente, mente pequena tem para todo lado.

A “justificativa” era sempre a mesma: “Como assim você é diabética e fez uma tatuagem? Que perigo! Deve ter demorado a cicatrizar, e ainda por cima sua glicemia deve ter se descontrolado toda.” E por aí vai o nível das baboseiras...

Fiquei ‘p’ da vida? Fiquei. Se eu respondi? Claro! Respondi assim: “Tenho uma tatuagem não. Tenho DUAS!”. E depois dei uma risada a la Paola Bracho hahahahahahahahahaha

Gente, vamos ser realistas! Com a glicemia controlada eu não preciso me privar de fazer uma tatuagem. Antes de fazer a primeira tattoo, eu conversei com a médica que me acompanha, não fiz nada sem me preparar para isso. Inclusive, estou pensando na terceira, afinal, reza a lenda que tatuagem a gente deve ter em números ímpares rsrsrs

Minha primeira tattoo, como eu já disse, é especial para mim, ela representa a Nayama enquanto diabética. Já minha segunda tattoo também é muito especial, pois é uma matching tattoo que fiz junto com minha irmã. Isso quer dizer que nós duas temos a mesma tatuagem, no mesmo local (tornozelo).


Eu adoro tattoos escritas (informação meio óbvia, já que minhas duas tattoos são escritas), mas ando pensando em uma no estilo aquarelado. Estou amadurecendo a ideia primeiro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receber via email

Digite seu endereço de email:

Delivered by FeedBurner

Voltar ao topo