Machucados em diabéticos

Quando eu me tornei diabética, recebi vários avisos, coisas que eu deveria usar ou me preocupar para o resto da vida. Um desses avisos era sobre a dificuldade de cicatrização de um machucado em uma pessoa diabética. Isso porque o excesso de açúcar no sangue afeta a circulação, a capacidade do organismo de combater uma infecção e prejudica o processo de cicatrização.

Lembro-me mais de uma vez ser aconselhada, por diversas pessoas, a parar de fazer a unha, principalmente a dos pés, para evitar que a manicure “tire um bife” e que esse machucado vire um problema.

Desobedecendo o conselho, faço as unhas das mãos e dos pés com frequência e nunca tive nenhum transtorno com isso. Pode ser que o fato de minha manicure ser extremamente profissional e não tirar nenhum “bife”, ajude bastante nisso.

A questão é que nunca havia enfrentado essa batalha contra a cicatrização de machucados, até porque sou uma pessoa que não se machuca com frequência, graças a Deus. Ao contrário de alguns amigos, eu nunca quebrei nenhum osso do corpo, nunca destronquei, torci, desloquei nada! Acho isso sensacional hahaha

Maaaas, em junho desse ano passei por essa fase da “dificuldade de cicatrização em diabéticos”. Devo dizer que me preocupei bastante, mas não fui ao médico por causa disso.

O caso foi o seguinte: tropecei. Pois é, eu sei que é ridículo e bobo, mas foi exatamente isso que aconteceu. Eu estava em uma festa, estava indo embora inclusive, me despedindo de alguns amigos, e sem perceber, tropecei em alguma coisa de pedra que estava no canto, nem sei o que era para falar a verdade.

Dentro do carro, no caminho de volta à minha casa, percebi que minha canela estava latejando e comentei com meu noivo: “Nossa, esse machucado vai ficar roxo, porque está doendo”.

Chegando em casa, fui tirar a meia-calça que estava usando e ela estava toda grudada no machucado, que estava cheio de sangue. No momento que eu tropecei, eu não havia percebido que o machucado tinha sido nesse nível, de sair sangue.

E estava assim:


Lavei, passei merthiolate. Dois dias depois ele estava assim, com essa coisa branca no meio e infeccionado ao redor:


Mais de duas semanas depois, ele ainda estava infeccionado:


Depois de uma mês e meio, eu carrego mais uma cicatriz:


Nada bonito e nunca demorou tanto para que um machucado cicatrizasse. Eu ficava de olho na glicemia, pensando se não eram aqueles momentos de hiper que estavam atrasando a cicatrização.

Difícil essa vida de diabética, viu. Quando a gente acha que já está preparada para as surpresas da DM, vem um bloco de concreto e avacalha sua vida 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receber via email

Digite seu endereço de email:

Delivered by FeedBurner

Voltar ao topo