O Libre, a Bomba de insulina e o vestido de noiva

Quando pensei que eu iria mesmo entrar em um vestido de noiva, a primeira coisa que pensei foi: “Ih! Sou diabética”. Calma, deixa eu explicar.

Eu sou diabética, usuária de bomba de insulina e do sensor FreeStyle Libre, que são duas tecnologias que mudaram minha vida e a forma como eu me trato. Aprendi com o tempo a ter orgulho de cada um desses dispositivos. Falo com todas as letras que eu não tenho vergonha alguma deles. Mas quando pensei em mim, vestida de noiva, em um dos momentos mais importantes da minha vida, a primeira certeza que tive é que o diabetes não precisaria ser o protagonista da noite, e sim, a Nayama.

Então, 1 mês antes de meu casamento, marquei uma consulta com minha endócrino e disse a ela que eu não queria usar a bomba e nem o Libre no dia do meu casamento, porque eu havia escolhido um vestido mais justo no corpo e eu não teria onde prender a bomba nele.

Minha endócrino ficou simplesmente chocada comigo, porque segundo ela, eu estaria abandonando o melhor tratamento, em meu momento mais estável, em um dia muito importante em que a preocupação com a glicemia deveria ser mínima.

Eu choraminguei um pouco, porque ela foi bem firme ao me dizer isso. Mas juntas, conversamos e decidimos pelo melhor caminho. E claro, o melhor caminho era o que ela havia sugerido desde o início.

Os amigos mais próximos, que estão acostumados a ver o sensor Libre no meu braço e sabem que eu uso bomba, estranharam ao me ver no casamento aparentemente sem nenhum dos dois.

Por isso, vim aqui mostrar para vocês onde eu “escondi” a bomba e o Libre no meu grande dia.

Apesar de eu não ter mais neuras quanto a deixar a mostra o sensor e o cateter, no casamento, eu queria que tudo fosse perfeito: tanto as glicemias, quanto as fotos. Como fazer para ter os dois?

O truque foi escolher o vestido e o lugar certo para colocar a bomba e sensor. Ok, o vestido eu escolhi sem pensar onde eu iria colocar eles, mas depois que o vestido estava escolhido, foi ideia da minha endócrino colocar ambos na perna, na parte onde o vestido, que era um modelo mais colado ao corpo, começa a abrir.


Como o vestido era um modelo ‘sereia’, ou seja, justo até o joelho e depois ele abria até os pés, o lugar ideal para utilizar era a perna. 

Ela me sugeriu colocar uma joelheira e adaptar um furo para encaixar o clipe da bomba em uma perna. Na outra perna, eu poderia colocar o Libre. Apesar da fabricante Abbott indicar somente a parte traseira do braço para usar o Libre, com o aval da minha médica eu me senti mais segura de utilizar em outro local, como na perna.



Saí da consulta e fui direto na farmácia, procurar a tal joelheira e acabei encontrando um suporte de compressão para panturrilha, de noeprene, que custou R$25,00. Foi perfeito! Era exatamente isso que eu precisava e era bem mais barato que a joelheira.

A bomba encaixou direitinho, não marcou no vestido e tinha “fácil acesso”, ou seja, eu não precisava ir ao banheiro para aplicar insulina, ali mesmo no meio da festa eu colocava o pé na cadeira e dá-lhe insulina para os drinks kkkkk

Comi e bebi a noite inteira, bem controlada, e o leitor do Libre ficou no bolso da calça do meu marido.



Para tudo nessa vida a gente dá um jeito, e não é porque eu aceito bem a condição de diabética com todo os insumos, que eu não possa querer escondê-los às vezes, em datas especiais, por exemplo. Isso é completamente normal e permitido! Da mesma forma, já fui em vários eventos com ambos expostos, tanto Libre quanto bomba.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receber via email

Digite seu endereço de email:

Delivered by FeedBurner

Voltar ao topo